Resenhas

Resenha: “Contos d’escárnio/Textos grotescos”, Hilda Hilst

No meio de agosto, eu fui à biblioteca da minha cidade procurar algo novo para ler depois de renovar minha carteirinha – e depois de tanto tempo sem ler os livros de lá. Eu estava atrasada para ir à dentista, tinha apenas alguns minutos, então meus olhos corriam apressadamente por entre as prateleiras da biblioteca municipal. Foi então que vi esse livro da Hilda, e soube exatamente qual seria minha próxima leitura.

Contos d’escárnio/Textos Grotescos | Hilda Hilst | Editora Globo | 1990 | 220 páginas | Nota: 8/10

Acontece que esse não foi meu primeiro contato com a obra hildiana. No semestre passado, conheci Hilda Hilst através da disciplina Introdução aos Estudos Literários I. Eu e meus amigos apresentamos um trabalho no qual falávamos sobre essa impecável mulher. Foi o melhor trabalho da minha vida, aliás, que posso comentar num post mais tarde.

Contos d’escárnio/Textos grotescos é uma obra que causa estranhamento quando se começa a ler. Pois trata-se exatamente do que o título fala. A obra é narrada por Crasso, personagem chulo que logo no início da obra faz uma crítica ao mercado de livros de baixa qualidade presente naquela época (a primeira publicação do livro foi em 1990): “Ao longo da minha vida tenho lido tanto lixo que resolvi escrever o meu” .

Dessa forma, como objetivo de criticar o modo como nosso país celebra o baixo nível, Hilda cria uma obra baixa, suja e tão medíocre quanto. Crasso narra suas memórias mais grotescas, seguindo em forma de sátira ao mercado que produz “lixo” como único objetivo o lucro. É importante para refletir até onde o capitalismo interfere em nossa cultura – no caso, literária. Merece um post falando somente sobre isso.

Mas o que mais impressiona na obra, na minha experiência de leitura, é a forma como é narrada. Descontínua e desconfiguradamente, Hilda escreve uma narrativa que ora é lírica, ora é poesia, ora é carta, ora é teatro. Hilda coloca diversos gêneros literários dentro de um livro só, em que ora as personagens abordam suas confissões baixas, ora fazem críticas.

Desse modo, o livro mostra-se importante para quem deseja conhecer o estilo de Hilda. A autora sabe usar e abusar das palavras, sabe explorar gêneros e estilos de escrita. Eu ri muito com as declarações de Crasso e devorei o livro em um dia. Mesmo que o propósito dessa obra seja fazer críticas ácidas, a leitura é leve e prazerosa. Li no trem, rindo e fazendo caras e bocas de surpresa (Crasso fala cada coisa que o tempo inteiro eu ficava no trem com a paranoia de que alguém pudesse estar lendo comigo e pensando “que diabos essa menina tá lendo?”), me divertindo muito. A leitura vale super a pena! 😉

Sobre a autora

Caminho entre letras e sonhos: sou uma eterna apaixonada pelas viagens que as páginas amareladas de um livro pode me levar. Cada página virada é uma nova aventura; em êxtase entro só de pensar. Amo tudo o que me faz expandir esse universo que eu sou; amo olhar minha estante pensando na próxima aventura em que embarcar eu vou. Entrando em sintonia comigo mesma, sou uma louca alucinada pelas belas letras.

Gostou desse post? Deixe sua opinião nos comentários! ♥

%d blogueiros gostam disto: